Orgasmo masculino versus orgasmo feminino. Qual é o mais importante? A resposta certa deveria ser os dois, não é mesmo? Afinal, o orgasmo é só um recurso da Natureza para aumentar a reprodução dos mamíferos (todos: macacos, baleias, cães, gatos e homens).

Mas no seu processo de evolução, a raça humana deu um passo adiante dos outros mamíferos. Ela passou a fazer sexo por puro prazer, sem fins reprodutivos. Contudo, esse passo evolucionário trouxe também as noções de poder, status social e questões de gênero, que acabaram cobrindo o prazer sexual com várias camadas de preconceitos e tabus.

O impacto das diferenças de gênero no quarto

Dessa forma, recente pesquisa, publicada no Social Psychological and Personality Science, indicou que as diferenças de gênero podem estar contribuindo para a desigualdade sexual também no quarto. Assim, as novas descobertas fornecem evidências de que, geralmente, as pessoas atribuem aos homens mais direito ao orgasmo do que às mulheres.

De fato, várias estudos já demonstraram que as mulheres têm  orgasmo com menos frequência que os homens, um fenômeno que foi apelidado de “lacuna do orgasmo”. Para saber mais, leia este artigo do nosso blog. Os autores da pesquisa propuseram que essa lacuna de prazer poderia ser parcialmente explicada pelo fato de que os homens se sentem mais autorizados ao prazer sexual do que as mulheres. Eles observaram que pesquisas anteriores indicaram que as mulheres são mais propensas do que os homens a relatar que valorizam o prazer de seu parceiro mais que o seu próprio.

A lacuna do orgasmo desfavorece as mulheres

As desigualdades de gênero persistem em vários domínios sociais, incluindo relacionamentos românticos ou sexuais. Quando se trata de sexo, as experiências são inseridas em um contexto de gênero que desfavorece as mulheres. Por exemplo, as mulheres experimentam orgasmos em taxas muito mais baixas do que os homens. Os autores quiseram testar se essa lacuna de prazer poderia ser explicada pela tendência das pessoas de atribuir maior direito ao prazer sexual aos homens.

Assim, para testar essa hipótese, os pesquisadores realizaram um estudo, composto por cinco pesquisas, todas nos Estados Unidos. Primeiro perguntaram a 203 indivíduos se mulheres ou homens eram mais propensos a ser o receptor ou o provedor de prazer sexual nas relações heterossexuais. Os participantes também indicaram se mulheres ou homens tinham “mais direito de experimentar um orgasmo” de acordo com a maioria das pessoas que conheciam.

Homens recebem mais prazer do que as mulheres

Os participantes responderam que os homens recebem mais prazer do que as mulheres e as mulheres proporcionam mais prazer do que os homens. Isso tanto em relacionamentos de longo prazo como nos de curto prazo. Os participantes também responderam que os homens têm mais direito a um orgasmo do que as mulheres durante uma transa. No entanto, os participantes acreditam que as mulheres têm mais direito de experimentar o orgasmo do que os homens quando em um relacionamento de longo prazo.

Em um segundo estudo com 223 pessoas, os pesquisadores entregaram aos participantes um texto sobre um encontro sexual em que nem a mulher nem o homem experimentaram um orgasmo. Perguntados sobre quem deveria ter tido um orgasmo, 167 disseram que o homem tinha mais direito de experimentar um orgasmo e precisava ter mais orgasmos que a mulher. Além disso, eles também indicaram que a falta de um orgasmo deixa o homem mais desapontado, frustrado, insatisfeito e carente do que a mulher.

Um terceiro estudo perguntou a 151 participantes: “pense em um encontro sexual entre uma mulher e um homem. Imagine que apenas um deles pode ter um orgasmo: quem deve ter o orgasmo?” Os pesquisadores descobriram que 66,2% dos respondentes escolheram o homem.

Em um quarto estudo, 253 participantes foram questionados se aconselhariam outra pessoa a tomar medicação para aliviar ansiedade e depressão graves, mesmo que o efeito colateral pudesse ser a impossibilidade de um orgasmo. Os participantes foram mais propensos a indicar a medicação para mulheres do que para homens. Interessante apontar que as participantes do sexo feminino também foram mais propensas a aconselhar a pessoa a tomar a medicação em comparação com os participantes do sexo masculino.

O poder masculino nos relacionamentos

Por fim, os pesquisadores analisaram respostas abertas dos participantes sobre por que as pessoas acreditam que os homens têm mais direito ao prazer sexual. Dois temas foram mais comuns nas respostas. O primeiro foi que os homens atingem o orgasmo mais facilmente que as mulheres. O segundo, que os homens têm mais controle sobre os relacionamentos.

Em resumo, a pesquisa indicou que as pessoas reconhecem a diferença de orgasmo entre mulheres e homens como inata e biologicamente determinada. Mas a pesquisa também demonstrou que fatores sócio culturais desempenham um papel crucial na compreensão das desigualdades de gênero no prazer sexual.

Entretanto, é bom lembrar que a pesquisa reflete apenas o contexto sócio cultural dos Estados Unidos. Em outros países os resultados podem ser diferentes.

E você, também acredita que os homens têm mais direito ao orgasmo?  Deixe sua opinião nos comentários abaixo.