A esta altura do ano já era para estarmos falando das olímpiadas de Tokio que, como tantas outras coisas, ficarão para depois que as ondas deste tsunami epidêmico estiverem mais calmas. Mas nada impede de buscarmos inspiração e aprender algumas coisas com este evento esportivo que já faz parte do calendário gobal.

Quando vemos o desfile de abertura, é fácil perceber diferentes tipos físico: corpos esguios, musculosos, magros, esqueléticos, outros altos, compridos, outros atarracados. Tem até alguns mais gordinhos. Vale tudo, cada um na sua.

O que eles têm em comum? Um grande talento? Lógico, talento é importante, mas só talento não faz de ninguém um atleta olímpico e muito menos um campeão. O que todos eles têm em comum é o treinamento diário para adquirir força, velocidade, destreza e concentração.

Para o sexo é a mesma coisa: treine bastante para quando chegar a hora você estar pronto. Escollhemos algumas modalidades para ajudar você a bater recordes e ganhar medalhas.

Atletismo

Foi com o atletismo que tudo começou na Grécia Antiga.  Nos 100 metros rasos vemos corpos fabulosos se movendo como uma flecha e terminando na linha de chegada  9 segundos depois. Pode ser sensacional na pista, mas na cama é de doer. Quem quer transar com alguém que acaba tudo quando a coisa nem começou a esquentar?

A cama não é lugar de ter pressa, melhor seguir a estratégia de um maratonista e ir sentindo o calor, a humidade relativa do ar, o ritmo da prova, ir dosando as passadas, até encontrar o momento certo de “atacar” e dar aquele “sprint” rumo à vitória.

Para treinar sua resistência e melhorar seu tempo de reação, comece pelos treinos individuais. Para atletas masculinos, os Tenga Eggs continuam dando os melhores resultados, já para atletas femininas, vibradores irão revelar tudo que você precisa saber sobre seu clitóris e o ponto G.

Ginástica olímpica

Você vê aqueles atletas dando piruetas de costas na trave, ou aqueles saltos “Tsukahara” com duplo twist carpado e parece que eles fizeram isso a vida toda. Claro que não. A coisa começa com ensaios, onde o corpo e a mente vão aprendendo os movimentos. Então, nada de exibicionismos logo de cara: vá treinando, preparando a(o) parceira(o) e aumentando pouco a pouco o grau de dificuldade.

Atenção: certamente você já viu que muitos atletas usam bandagens nos punhos ou no tornozelo e que passam um pó branco anti- derrapante nas mãos antes de começar os exercícios.  Então, deixe de lado a vergonha e aproveite os produtos que garantem uma grande exibição como os lubrificantes vaginais, os géis excitantes masculinos, e os adstringentes. Não corra o risco de precisar interromper a série no meio ou de ir mais cedo para o vestiário.

Futebol

Já falamos especialmente dele antes, então é só ler o que está no blog.

Tênis

Esta modalidade tem elementos fantásticos: o controle mental dos atletas; a “leitura” do jogo para calibrar a pressão das cordas da raquete em função das características do “adversário”; saber a hora de bater forte na bolinha ou de surpreender com uma “deixadinha” sútil e maliciosa; o momento certo de subir à rede.

O principal: aplique tudo isto com o espírito do frescobol, aquele esporte delicioso em que não há contagem de pontos, só corpos saudáveis empenhados em dar o melhor de si pra não deixar a bolinha cair e se divertirem por muito tempo, um ajudando o outro a fazer a melhor jogada para a dupla. 

Para regular a pressão da sua raquete, nada  mais adequado que vibradores de vários tamanhos ou com múltiplas velocidades e anéis penianos que permitem aquelas longas trocas de bola. São a dupla perfeita.

Nado sincronizado

É importante reparar que no nado sincronizado, aqueles movimentos incríveis de pernas e braços que vemos fora d´água são preparados por movimentos ainda mais incríveis, feitos abaixo da superfície.  No sexo também é assim: para conseguir sustentação, giro, ou impulso, muitas vezes é necessário “preparar “ o movimento começando lá da ponta dos pés ou das mãos. O figurino é importantíssimo: então escolha um acessório que valorize sua apresentação.

Nem precisamos repetir a importância de treinamentos para adquirir ritmo e habilidade com o uso dos equipamentos, certo?

Hipismo 

Sem dúvida é a modalidade que oferece mais analogias com o sexo, algumas bastante óbvias, outras mais sutis. Para começar, é o único esporte olímpico em que não há questão de gênero, nem limite de idade.

Cada dupla formada por uma amazona ou cavaleiro com sua montaria é chamada de “conjunto”.  Os comandos transmitidos através de suaves movimentos coordenados de inclinação do corpo, posição e pressão das rédeas e pernas são prontamente captados pela montaria, e é assim que a aproximação e salto dos obstáculos do percurso vão sendo feitos uma a um, com precisão, beleza e eficiência.

A confiança estabelecida entre os dois é fundamental. O estímulo precisa ser  transmitido sem criar ansiedade ou resistência.

Nem toda prova é perfeita, é comum alguma trave ser derrubada, mas o conjunto deve estar preparado para seguir em frente, sem culpa ou nervosismo, certos de que a “medalha” nem sempre é ganha pelos que fazem um percurso sem faltas, mas sim pelo conjunto que tiver o melhor resultado no final.

No sexo é igual. Uma vez estabelecida a confiança e entendimento quanto aos “comandos”, o “conjunto” estará pronto para encarar o desafio de quaisquer obstáculos e cumprir os vários percursos que levam ao prazer.

Montarias em treinamento, ainda inseguras? Uma massagem de preparação com óleos aromáticos para diminuir receios e ansiedades é o indicado. Parceiro (a) inquieto(a), cheio(a) de energia?  Além da massagem, experimente adesivos para “marcar” o percurso.

Estimular a disposição e imprimir um ritmo mais intenso? O caminho são vibradores e aneis penianos. Para conjuntos em estágio mais avançado, máscaras e artigos de um soft spanking dão resultados excelentes.

Montaria indócil? Sessões de BDSM, variando a técnica e a intensidade da excitação são muito boas para “amansar” potros e potrancas rebeldes e mostrar que seu comando merece confiança.