Pompoarismo é uma arte milenar indiana que tem origem no tantrismo, cuja técnica consiste na contração voluntária dos músculos pélvicos. A prática da contração desses músculos traz inúmeros benefícios para a autoestima, a saúde  e a vida sexual da mulher.

Origem do pompoarismo

O verbo pompoar significa ‘contrair’, ou seja, ter o comando mental dos músculos pubococcígeos (músculo PC) e da vagina. A palavra pompoarismo (pahm-pour) é originária do tâmil, falado no sul da Índia. Com o passar do tempo, a técnica se espalhou por outros países, tendo sido muito praticada no Japão pelas  gueixas e, posteriormente, por jovens da Tailândia, onde era comum as mães ensinarem as filhas, ainda meninas, a contrair os músculos circunvaginais.

Em consequência desse aprendizado precoce, essas jovens tailandesas adquiriam o domínio da técnica, tornando-se pompoaristas, famosas pela habilidade de conseguir massagear o pênis com a vagina. Muitas passaram a trabalhar em casas noturnas, onde faziam performances de palco com a vagina, como fumar e arremessar objetos à distância.

Pompoarismo no Brasil

A técnica do pompoarismo passou a ser mais conhecida no Brasil na década de 70, porém ainda restrita às casas de prostituição. Com o passar dos anos foi se tornando mais conhecida através de cursos para mulheres, os quais prometiam “salvar” casamentos, devido ao forte apelo sexual dessa prática.

Aos poucos, a técnica foi sendo popularizada e as mulheres passaram a se interessar, cada vez mais, pelo tema e começaram a buscar esse aprendizado para praticar com seus parceiros.

Benefícios do pompoarismo

  1. Fortalece os músculos pubococcígeos (que sustentam os órgãos internos), prevenindo o prolapso (queda de bexiga), incontinência urinária e o afrouxamento da região pélvica, que ocorre com a idade e com partos sucessivos.
  2. Prolonga e intensifica o prazer sexual da mulher e do parceiro durante a penetração.
  3. Contribui para a prevenção de incontinência urinária de esforço (perda urinária ao tossir, subir escadas, rir) ou como terapia complementar para quem já tem o problema e está em tratamento.
  4. Os exercícios de contração, principalmente os de Kegel, podem ser complementares em tratamentos para incontinência urinária de urgência (perda súbita de urina), geralmente indicados pelo médico e aplicados por fisioterapeutas especialistas no trato urogenital.
  5. Autoconhecimento:mulheres que nunca tiveram um orgasmo podem aprender a ter devido ao desenvolvimento da percepção da musculatura.
  6. Aumento da excitação sexual devido aos movimentos que estimulam o clitoris e áreas adjacentes, promovendo maior autoconhecimento do corpo e das sensações eróticas.
  7. Aumento da lubrificação vaginal devido à maior quantidade de fluxo sanguíneo na região pélvica durante a prática, o que contribui para reduzir a secura vaginal, principalmente em mulheres que já entraram na menopausa.
  8. A prática contribui para regular o intestino e os ciclos menstruais.
  9. Promove excelentes resultados para algumas disfunções sexuais femininas durante o tratamento terapêutico especializado em sexualidade (terapia sexual) em consultório.
  10. Rápido restabelecimento do tônus vaginal após o parto, entre muitos outros benefícios para a saúde como um todo.
É recomendado por ginecologistas, fisioterapeutas e psicólogos como um exercício fundamental para as mulheres.

Flacidez vaginal

Muita gente pensa que a flacidez vaginal só acontece com mulheres que passaram pelo parto vaginal. Com certeza o parto vaginal causa uma sobrecarga maior na musculatura pélvica feminina, mas o fato é que o tempo e várias situações cotidianas como tossir, espirrar, rir, fazer exercícios físicos e levantar peso aumentam a pressão intra-abdominal e também sobrecarregam a musculatura pélvica. Como qualquer músculo, se ele não estiver forte para responder a estes esforços, vai enfraquecer.

A musculatura do assoalho pélvico feminin começa a enfraquecer naturalmente a partir dos 25 anos.

Os movimentos de pompoarismo durante a penetração

A mulher que pratica a ginástica íntima consegue controlar a musculatura do assoalho pélvico e seu canal vaginal. Desta forma, ela realiza movimentos específicos e voluntários no pênis do parceiro. Segurar a ejaculação e simular movimentos de masturbação com a própria vagina são algumas das vantagens. Conheça os termos do pompoarismo:

  • Chupitar: movimento que suga o pênis simulando o movimento de uma criança chupando a chupeta
  • Ordenhar: contrair os anéis em sequência massageando o pênis
  • Sugar: sugar a glande do parceiro; travar: contrair a vagina impedindo, assim, a saída o pênis
  • Expulsar: expelir o pênis do parceiro, deixando apenas a glande
  • Estrangular: movimento que aperta o pênis da base até a glande e segura a ejaculação do parceiro

Primeiros passos para começar a praticar

Antes de começar a praticar é importante entender o que são os músculos PC, além de levar em conta algumas informações importantes.

Os músculos PC

São músculos localizados na região pélvica, responsáveis pela sustentação da parte superior do nosso corpo, bem como dos nossos órgãos internos (intestino, bexiga, útero e todo o aparelho reprodutor).

Esses músculos se estendem, como se fossem uma rede entrelaçada, desde o osso púbico (região dos pelos pubianos) até o cóccix (pequeno osso localizado na parte inferior da coluna vertebral). Também controlam o fluxo de urina, além da abertura e fechamento do ânus e da vagina. Durante a gravidez, eles são ainda mais solicitados, pois precisam sustentar o bebê.

Perguntas frequentes antes de começar

Como escolher um curso ideal? O profissional precisa ter uma formação específica, ser sexólogo, fisioterapeuta ou de alguma outra área da saúde?

É importante lembrar que o pompoarismo é uma arte que vem sendo ensinada com sucesso há cerca de três mil anos, quando essas especialidades nem existiam.

Porém, se você encontrar um profissional com formação nessa área será melhor para seu aprendizado, pois tanto na fisioterapia especializada no trato urogenital, quanto na terapia sexual, esses exercícios costumam ser utilizados em alguns tratamentos, seja os de incontinência urinária, pelo fisioterapeuta ou o de disfunções sexuais, pelo terapeuta sexual. De toda forma pesquise bastante para encontrar o profissional qualificado.

Quais os melhores cursos, online ou presenciais?

Depende, pois de nada adianta fazer um curso presencial se o profissional não for bom.

Como escolher um curso?
  1. Verifique qual é a opção mais adequada para você. Há online, presencial ou livros, dependendo da sua disponibilidade.
  2. Em caso de ter escolhido presencial. Muitas lojas de lingerie feminina, principalmente as que vendem produtos eróticos, oferecem cursos de pompoarismo. Vários sex shops também oferecem esse curso e você também pode procurar na internet por pessoas que ensinam essa técnica.
  3. Informe-se sobre o conteúdo programático do curso. Pergunte se vai adquirir conhecimentos básicos sobre a anatomia feminina, questione sobre os exercícios práticos, carga horária e sobre todos os recursos utilizados para o seu aprendizado. Analise o conhecimento da pessoa e somente decida se você se sentir segura.
  4. Se você sofre de incontinência urinária. Primeiro você precisa procurar um ginecologista.
  5. Se você sofre de disfunções sexuais (dor na relação, dificuldade para atingir o orgasmo, vergonha ou qualquer tipo de dificuldade na atividade sexual). Procure um psicólogo ou psicanalista especialista em sexualidade.
  6. Pergunte a quem já fez o curso. Referências sempre ajudam.

Como praticar em casa

Exercício 1

Você já deve ter feito aquele exame de urina onde deve desprezar o primeiro jato, interromper o jato e, em seguida, continuar a urinar no recipiente. Essa é a contração ‘leve’, da musculatura, que você vai utilizar na prática do pompoarismo. Este exemplo serve apenas para você entender o que é a força ‘leve’ do pompoarismo.

Importante: Antes de praticar os exercícios, certifique-se de estar com a bexiga vazia. A retenção de urina, junto com as contrações, poderá causar infecções urinárias.

Faça dez contrações leves. Descanse 15 segundos e repita mais duas vezes. Procure ir se acostumando a respirar normalmente durante a prática.

Exercício 2

Recoste-se na cama com as pernas separadas, apoie o dedo médio sobre o períneo e a entrada da vagina e contraia com força ‘média’ (um pouco mais de intensidade do que no primeiro exercício, fechando a entrada da vagina em movimento de sucção). Perceba o movimento do músculo para dentro do corpo e retornando ao estado normal relaxado.

Repita 10 vezes. Descanse 15 segundos. Na sequência, repita o mesmo exercício por mais 10 vezes, mas desta vez, com força ‘intensa’. Relaxe.

A contração de força ‘intensa’ é a mais forte que você consegue fazer, desde que respirando normalmente, de maneira confortável!

Lembre que a contração é só da vagina e não do corpo.

Se você precisa prender a respiração, pratique primeiro com a força ‘média’ e depois de uma semana tente a ‘intensa’. Esse controle sobre a musculatura e a respiração, você vai aprender com a prática e com o tempo.

Exercício 3

Sente-se, confortavelmente, em uma cadeira e com as pernas levemente separadas, de maneira que você sinta a vulva encostada na cadeira.

Essa postura vai impedir que você contraia os músculos internos da coxa e se concentre nos músculos pélvicos.Relaxe e permita que a gravidade atue sobre os seus ombros. Inspire e expire, normalmente.

Procure perceber o ar entrando e inflando a sua barriga. Observe o movimento, diminuindo o volume da barriga, quando sair o ar. A percepção da respiração é fundamental para os exercícios.

Contraia com força ‘média’, sinta a musculatura subir (contraindo para dentro de você). Contraia e relaxe 10 ou 20 vezes. Descanse 30 segundos, repita essa série 3 vezes.

Se estiver muito fácil, faça uma série de 30 contrações. Descanse 30 segundos e repita o procedimento três vezes. Descanse.

Exercício 4

Repita o exercício anterior, agora contraindo com força ‘intensa’, caso consiga. Você pode fazer esses exercícios (as 3 séries completas de ambos) uma vez ao dia ou, caso deseje e tenha tempo para isso, pode repetir as séries duas vezes ao dia – uma de manhã e outra à noite.

Procure associar os exercícios a alguma atividade diária que você já faz e pratique, como o banho ou quando estiver passando fio dental ou dirigindo. Assim você não precisa parar para se exercitar, não desanima e não desiste com o tempo. Ou seja, não tem desculpa para não fazer.

Quanto tempo por dia

Cerca de dez minutos é suficiente. Mas se quiser praticar mais, faça de manhã a sua série e repita à noite. É preciso dar um repouso para a musculatura. Lembre que na academia, existem critérios na prática dos exercícios de musculação para não sobrecarregar os músculos. Para obter bons resultados, em vez de se preocupar com quantidade, foque na assiduidade e na qualidade dos exercícios.

Os acessórios podem ajudar, e muito.

Se você não tem dificuldade para introduzir o dedo na vagina, insira o dedo médio e contraia. Esse exercício é excelente para você aumentar a percepção das contrações, pois vai sentir a vagina apertando e também o dedo sendo apertado. Se tiver dificuldade, a opção é usar o vibrador. Você também pode usar as bolinhas ben-wa. Veja aqui os acessórios recomendados pela Misscarlet.

Lembre-se: é preciso higienizar os acessórios antes e depois do uso. Se sentir necessidade, você pode usar lubrificante a base de água para facilitar a introdução. Veja aqui algumas opções.

Precauções e cuidados

  1. Grávidas até dois meses não devem praticar o pompoarismo, pois os exercícios podem provocar contrações uterinas e aborto. Se estiver grávida, pergunte primeiro ao seu ginecologista. Ele dirá a partir de que mês você poderá fazer os exercícios para ajudar no parto, caso seja parto vaginal.
  2. Em caso de inflamações na região da vulva, útero, infecções urinárias ou qualquer outro problema ginecológico, tratar primeiro o problema para depois praticar os exercícios.
  3. Se você sofre de endometriose é melhor tratar primeiro o problema, pois os exercícios promovem um aumento do fluxo sanguíneo na região pélvica e, neste caso, podem causar desconforto.
  4. Se for usar acessórios, além de higienizá-los e secá-los bem, é importante que você não fique com eles por muito tempo dentro da vagina, devido ao peso que pode causar fadiga muscular.
  5. Não compartilhe os acessórios com outra pessoa.

Texto editado dos blogs mulheresbemresolvidas.com.br e sexosemduvida.com.br